Depressão
Depressão Pós-parto
Mamãe de primeira viagem
Meu querido Diário
10 novembro 2016 - Maternidade

Mamãe de primeira viagem

Eu e meu bebê

Eu e meu bebê

Meu bebê em meus braços e suas mudanças

Meu Deus….O primeiro mês de vida é enlouquecedor e tenso para as mamães e papais de primeira viagem, acredito que muitas mamães  vão se identificar com algo neste post.

É um mundo totalmente diferente do nosso habitual, acontecem muitas mudanças na rotina da casa, do casal, na alimentação da mamãe, parte física e emocional e principalmente no sono.

Acredito que assim como eu, muitas mamães se preparavam lendo e ouvindo outras mamães, sobre os primeiros meses do bebê em casa, a maioria das mães com mais experiência dizem, aproveita enquanto o bebê está dentro da barriga, dorme…. dorme muito, saia com marido, aproveita enquanto pode, a gente até entende o que as pessoas dizem, mas na real a gente só sabe quando sente na pele.

Enquanto ele está guardadinho, seguro dentro do nosso útero, nossa única preocupação com ele é se o coração está batendo, se ele está se desenvolvendo bem, senti-lo mexer é uma loucura, sensação única e maravilhosa!!!

Quando estamos no hospital, temos os cuidados de uma equipe de profissionais da saúde, enfermeiros sempre que precisar, médicos, entre outros profissionais, tudo isso facilita para a mamãe e para o papai.

Quando você recebe alta e vai para casa, descobre diversas sensações que nunca havia sentido antes é uma insegurança, medo, preocupação, ansiedade, amor inexplicável, cansaço, dor ou incomodo do pós-parto, mamas sensíveis (algumas chegam até racha e sangrar), hormônios a mil por hora, tudo isso junto e misturado, vira uma loucura para mamãe e papai.

É um serzinho pequeno e frágil em seus braços, sentimos o medo de tocar, pegar, derrubar até mesmo de machucar, medo na hora do banho, de vestir, não se sabe se coloca muita ou pouca roupa (bate aquela neura), hora limpar o umbigo, trocar a fralda, amamentar, enfim é um medo de não saber se está fazendo tudo certo, é uma insegurança absolutamente normal, pois nunca passamos por isso antes.

Apesar de durar 9 meses, passa tudo tão rápido, quando chega esse momento de ter ele(a) em seus braços, o primeiro contato é tão mágico, mas ao mesmo tempo uma sensação estranha, difícil de entender tudo que estava acontecendo, há poucas horas ele estava dentro da barriga agora em seus braços, tão perfeito, tão indefeso, tão nosso, a ficha demora para cair.

Ter um filho não é uma tarefa fácil, requer MUITO de nós nos primeiros meses, até você descobrir seus sinais, você acorda de hora em hora, uma porque ele quer mamar, outra para trocar fralda (isso acontece várias vezes), choro de cólica, choro de alguém que quer apenas um calor, oras porque as neuras de uma mãe de primeira viagem é acordar simplesmente para ver se está tudo bem e se ele está respirando (qual mãe nunca fez isso?? rs), a gente pira, não dorme e não descansa.

Você fica tão exausta no começo, porque ele depende praticamente só de você, seu sono nunca mais será o mesmo (isso é para todo sempre), banho muitas vezes é um luxo, fazer cabelo e unha são cuidados que a gente deixa de lado, você vive praticamente de pijama e um rabo de cavalo o dia inteiro. Seus hormônios estão à flor da pele, oras você está rindo, oras você estará chorando aos prantos, às vezes sem motivo, ou porque se acha incapaz, oras por cansaço e também temos a depressão pós-parto (próximo post) ou baby blues (tristeza, melancolia, porém passageiro) falarei melhor em um próximo post.

Então ser mãe é terrível Olivia?? Vou sofrer?

Nãoooo…..É muito bom, mas muitas vezes as pessoas não te falam o outro lado da vida a partir do momento que o bebê está em seus braços, que não é fácil, que requer você o tempo todo, que terá um desgaste físico e emocional, que terá que abrir mão de muitas coisas por conta de seu pequeno, MAS, tudo vale a pena quando você olha aquele sorriso banguela com olhar apaixonado para você, a recompensa é diária!

Conforme os dias vão passando o convívio nos faz conhecer melhor nosso filho, adaptar a todas essas mudanças, aos poucos você vai conhecendo os sinais e tudo se torna um pouco mais “fácil” para ambos.

Ah!!! A escolha de um BOM pediatra é importantíssimo para o bebê e para os papais, converse com outras mamães, pegue sugestões, se tiver a oportunidade conheça o médico, antes do nascimento é importante você já ter um pediatra e se for um pediatra conceituado já deixe mais o menos agendado a primeira consulta, porque um bom pediatra a agenda é lotada. É muito importante, pois o pediatra pode avaliar algumas alterações que acontecem logo nas primeiras semanas.

O Pediatra será como seu anjo da guarda, irá te orientar com os cuidados e acompanhar toda evolução do bebê. Você tem que se sentir segura com profissional, porque você entregará seu bebê para ele(a).

Dica, na consulta com o pediatra, faça uma lista de perguntas de todas as suas dúvidas (serão muitas), não tenha vergonha, eles estão super acostumados. Eu sempre fiz isso, anotava tudo no papel, surgia uma dúvida já anotava na hora, porque no dia da consulta você esquece.

Na verdade a gente gostaria de ter o pediatra do nosso lado o tempo todo…rs* As dúvidas surgem a todo instante.

Gente ser mãe é bom, é aprender a todo instante, é ter seu coração pulsando fora do corpo, é amar alguém acima de tudo, é enlouquecer, é enxergar outras mães com outros olhos, é renunciar, é ser forte, é ter uma razão para viver todos os dias!

Escrevi muitoooo ainda tenho muito a escrever, mas vou continuar em outro post…rs

E se você quer dividir seu momento de mãe de primeira viagem, fique a vontade em comentar ou se quiser mandar sua história mande um e-mail!

Beijos

Postado por:Olivia Tomita
0 Comentários
Deixe seu comentário

Para usar uma imagem em seu avatar, cadastre-se em gravatar.com.